Blog

Síndrome de Burnout: Desgaste físico e emocional no ambiente de trabalho.

Acredito que seja interessante dar inicio a este texto através de um esboço da importância e representações do Trabalho na vida dos seres humanos, e assim entender um pouco a relevância que ele possui em nosso ambiente emocional e psíquico.


TRABALHO, em poucas palavras, é a ação do homem no meio em que vive, responsável pelas maiores evoluções e organizações sociais desde o homem primitivo. Sem o trabalho, desde a pré-história até os tempos atuais, seria inviável a manutenção da vida, uma boa saúde para o corpo e também para a alma. Quando me remeto à palavra “alma”, penso nela a partir de sua origem. Vem da palavra latina, “animus”, que significa “o que anima”. Falo aqui do trabalho que dignifica o ser, que fala sobre as suas aptidões, interesses, possibilidades de construção e identificações. Pensando dessa forma, o homem se dedica ao trabalho, busca nele não só o sustento para manter a sua vida, mas também reconhecimento, relações interpessoais relevantes em seu processo de construção, reforço da auto-estima, ente outros...


Vinculado a tudo isso, se voltarmos à interpretação da palavra TRABALHO, que também vem do latin, “Tripaliun”, veremos que esse era o nome que se dava a um instrumento de tortura na época da Inquisição. Através de um viés religioso, acreditava-se que o trabalho era um castigo dado ao homem devido a Eva e Adão terem constituído o pecado. Também temos o trabalho escravo como referência histórica da nossa construção sócio-cultural. Deparamo-nos, por conseguinte, com muitas conotações que nos chamam a vivenciar o trabalho como algo difícil, pesado e desgastante.


Dessa forma, um misto de variáveis positivas e negativas se unem na construção da concepção de cada individuo em relação à forma de vivenciar o trabalho.

A Síndrome de Burnout refere-se a um desgaste físico e mental causado pelas relações no ambiente de trabalho. O conceito Burnout nasceu por volta dos anos 70 nos Estados Unidos e fala justamente desse processo de deterioração do profissional em relação a sua vivência trabalhista. Significa “queimar-se”, chegar-se à exaustão.

A síndrome (conjunto de sintomas) se instala através de um processo lento e gradual, que pode ser percebido através de sintomas tais como: irritabilidade, cansaço, sinais de depressão, dores de cabeça, nas costas, tensão muscular, uso abusivo de café, álcool e cigarros, forte ansiedade, diminuição da libido, dificuldade nas relações com os companheiros de trabalho, posicionamentos negativos sobre o local de trabalho e de suas próprias capacidades de enfrentar as atividades, diminuição da produção de trabalho, faltas, insônia, mudanças acentuadas na alimentação. Em sua maioria, a síndrome se revela através de dois fatores que se unem.


O primeiro fala a respeito da forma como cada indivíduo vive o seu trabalho, traços da personalidade de cada ser, como o mesmo encara as atividades, como está predisposto a relacionar-se, o quanto e como necessita do trabalho que executa. Uma característica marcante, presente nos portadores da síndrome de Burnout, é um excesso de idealismo e altruísmo, sentimentos que facilitam a uma implicação de peso nas necessidades daqueles que precisam do serviço que ele presta, fazendo surgir, nesse momento, sensação de culpa, de incompetência e inadequação no momento que o profissional não consegue alcançar as necessidades do outro, do cliente, da empresa, de quem ele atende. Percebe-se também, nos portadores dessa síndrome, certa dificuldade em identificar aquilo que é pessoal daquilo que é profissional. Os limites que definem as dificuldades existentes no trabalho e as queixas pessoais são frágeis, alterando assim a visão do individuo acerca dos acontecimentos. Tudo parece ser mais pesado, as coisas se tornam maiores e mais confusas...


O outro fator da referida síndrome se define através de como se organiza a instituição trabalhista ao qual o profissional está inserido. É preciso se preservar o clima organizacional para que o ambiente seja funcional, oferecer ao funcionário um espaço de escuta, valorização, desenvolvimento de carreira, benefícios e ferramentas que o incentivem a cuidar de sua saúde biopsicossocial. São atitudes viáveis e que não atingem normalmente o funcionamento burocrático e padronizado da instituição.

A Síndrome de Burnout eclode no momento em que as necessidades do trabalhador e os interesses da empresa se desencontram, causando assim desgastes para ambas as partes, principalmente para o trabalhador, que tem a sua saúde minada.

O tratamento da síndrome é, em sua maioria, realizado através de acompanhamento psicoterapêutico, que tem como objetivo ajudar o trabalhador a avaliar melhor as suas capacidades, condições de trabalho, analisando a raiz dos fatores que levam a alguns acontecimentos, conteúdos muitas vezes inconscientes que precisam ser desvelados, para que se tenha a obtenção de um comportamento mais estável e sadio. O psicólogo tem, em sua função específica, ajudar o trabalhador a ajustar as suas idealizações e necessidades a partir das possibilidades reais que a empresa oferece. Em alguns casos, se faz necessário, também, um acompanhamento farmacológico com antidepressivos ou ansiolíticos, no momento em que os sintomas da síndrome já se apresentam fortes e desestruturantes.


Veja-se o exemplo do funcionamento das tribos indígenas, que durante muitos anos e até hoje é extremamente representativo, pois nelas o trabalho não está dissociado como algo pesado em relação à manutenção da vida: eles caçam, pescam, colhem, preparam seus alimentos , a partir de um senso de integração muito forte. A subsistência da vida, para eles, está ligada a uma cadeia que se alimenta. A solidariedade nas relações é extremamente importante para que todos vivam bem; se festeja quando se é feita uma boa colheita; e se comunga com a natureza as possibilidades que ela proporciona.


É preciso, então, que Trabalhador e Instituição tenham total consciência de sua importância e lugar, pois, dessa forma, o processo de integração e satisfação é vivenciado por ambas as partes, trazendo benefícios e tranquilidade para todos.

#trabalho #crise #desgaste #SíndromedeBurnout

Destaques
Arquivos
Siga-nos
  • Grey Facebook Icon
  • Grey LinkedIn Icon
Clínica de Psicologia

Rua Américo Brasiliense, 244 - Sala 32
Edifício Américo Brasiliense
Cambuí - Campinas|SP

contato@clinicaintuir.com.br

Tel: (19) 4141-9042 | (19) 99252-1866

  • Facebook - White Circle
  • LinkedIn - White Circle

Todos os direitos reservados - Clínica Intuir | Desenvolvido por Onni Comunicação